segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

terça-feira, 18 de março de 2014

Noites de Inverno












O cochar dos sapos entoam música suave
A orquestra dos ventos decreta o tom da melodia
O frio que chega suave convida-me a calor da lareira
E me conduz a meu sofá com o pelego

Doce calor de coisas simples me aquece o corpo
Tranquiliza minh’alma relaxa o espírito
Sou conduzida a pensamentos de outros tempos
Ao mundo da brincadeira quando em correrias aquecia meu corpo

Hoje deitada no meu sofá com pelego me aqueço
Na paz da noite cantada pela natureza
Na conversa do frio com o vento
Escrevo esta poesia no pensamento

Doces noites de inverno acordada na quietude da hora
Recordo frios de outrora tormentas e tempestade
Que sem música assolaram o passado
Durmo, os cantores cantam lá fora a minha melodia.